domingo, 6 de novembro de 2011

Desenho e poesia de Alfredo Gabriel. Edição gráfica Matheus Stutzel


 Caras e bocas - Técnica mista - ano de 2011

Seguiremos assim: como se levitados
Unificados pelo espaço, afora
Só do outrora levando a infância
De ressonância inocente, bela
Nossa janela vive escancarada!
Pois nos expomos sem medo a cobranças.
Crianças sim, nosso pensar é esse
Alheios a criticas... intimoratos.

Tratos, apenas daremos com brilho,
Ao nosso bem querer explicitado
Não descuidado nunca de mudarmos
Por isso o que sonharmos, pra valer
Indubitavelmente irá acontecer.

2 comentários:

  1. A arte gráfica do Alfredo Gabriel, de inspiração cubista, é tão sólida que, admite a introdução de cores em seus espaços. A edição competente do Matheus adicionou arte sem corromper o original.
    O trabalho do Alfredo não precisa de complemento, ele possibilita uma continuidade!
    Parabéns aos dois pela arte visual e parabéns ao Alfredo pelo belo poema!

    ResponderExcluir
  2. Gaudencio Guimarães9 de novembro de 2011 17:59

    ALFREDO GABRIEL: Um dos meus mestres na escola da vida e meu poeta predileto. Independente das suas qualidades artística ( que, como disse Orlando Cunha em seu comentário: "é um mago" traz em sua expressão, seja comportamental, escrita ou falada uma franqueza admirável. Não se esconde, é franco e direto. Gostou? ótimo. Não gostou? se faça merecer. Em seu poema acima deixa isso bem claro "nossa janela vive escancarada! crianças sim, nosso pensar é esse. Alheios a críticas... intimorados" Parabéns amigo! Estou com tigo e não abro!

    ResponderExcluir