domingo, 21 de julho de 2013

Poesia de Alfredo Gabriel - Ano de 2013

SAUDADE – 18/07/2013

Ter ciúmes não mas... Saudade sim!
Saudade sem fim... incomensurável.
Nada tão notável que possa ocupar-me
A não ser do charme da saudade tua.
Tudo que construa se tendo importância,
Fica na distancia, perde em qualidade,
Pois tua saudade torna-se proposta
Tão definitiva que o “mais” desativa acanhadamente.
Por tão diferente fujo à veleidade
Propalando ao mundo te sentir saudade.