domingo, 15 de abril de 2012

Poesia de Alfredo Gabriel - Ano de 2012

12/04/2012

O de repente da onda que espraia
Mostrando a saia de bolhas rendada,
Se num piscado olhar não registramos
Menos somamos o ego ao amor.

Do beija-flor a rapidez beijante
Se não notada na mesma frequência
O belo instante perde-se no ato.

O fato em não ter tempo que sobre
Para que o nobre seja percebido
Fará sentido quando a mesquinhez
Tomar-se condutora de seu passo.

Daí... não haverá espaço ao que sutil,
Pronunciar-se no ágil momento
Pela falência do teu sentimento.

3 comentários:

  1. Gaudencio Guimarães17 de abril de 2012 13:50

    É quase impossível ter-se definição melhor sobre a sensibilidade.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Alfredo. passei por aqui e me encantei com tudo que vi e ouvi, me emocionei com suas poesias.. amei sua musica (que talento especial amigo).
    seus quadros parecem fotograficas de tal beleza.. parabéns de verdade.
    fique em paz
    Marcos Toledo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos Toledo agradeço seus elogios e prosseguirei nesta trajetoria artistica pois tendo o aval de tão entusiasmante sempre nos anima. Alfredo Gabriel.

      Excluir